Você precisa de vitamina, precisa mesmo! Que tal começar hoje por essas aqui?


De alguma maneira, em maior ou menor grau, todos nós sabemos que precisamos de vitaminas para que o nosso organismo funcione bem.

“Suco de laranja tem muita vitamina C, faz bem”; “Precisa comer feijão e legumes escuros porque eles têm bastante vitamina” e por aí vai. É o tipo de senso comum que nós costumamos ouvir mas, por uma série de fatores como, por exemplo, deficiências educacionais nas disciplinas de biologia e ciências, de modo geral, nós não sabemos exatamente do que se trata.

Por isto, antes de tratar especialmente sobre a vitamina B, que é o nosso tema de hoje, vamos definir, brevemente, o que são vitaminas e porque nós precisamos delas:

Sozinho o nosso organismo não consegue produzir substâncias específicas dos quais precisa para que cada função do seu metabolismo funcione como deve. É por isso que precisamos ingerir essas substâncias, as vitaminas, que podem ser de origem animal ou vegetal - cada vitamina possui uma função distinta, assim como a sua ausência pode causar um problema específico de saúde como, por exemplo, dificuldade para cicatrização de feridas, queda de cabelo, amolecimento dos dentes e aumento de riscos à infecção em resposta à deficiência de vitamina C.

Antigamente não havia fácil e rápido acesso a uma gama variada de tipos de alimentos como temos hoje em dia. Junto com este processo, cresceu também a preocupação das pessoas em consumir alimentos mais saudáveis e que fazem bem para manter o tipo físico, fugir do sobrepeso e obesidade e ganhar mais disposição para encarar a rotina.

E aqui as vitaminas possuem um papel fundamental: elas são uma das grandes responsáveis por ajudar o corpo a repor rapidamente as energias que perde, sem causar exaustão, fraqueza, cansaço sem motivo aparente - todos aqueles sintomas que a nossa geração, criada a muito no sedentarismo, conhece bem.

São conhecidas treze vitaminas na natureza divididas entre dois grupos principais: as lipossolúveis (vitaminas A, E, D e K) e as hidrossolúveis (vitaminas C, o grupo chamado complexo B - B1, B2, B3, B5, B6, B7 e B12).

Não caberia aqui tratar de todas elas de uma só vez. Por isso, vamos começar pelas principais vitaminas do complexo B e, em breve, falaremos das demais e suas especificidades.

Este grupo ao qual o complexo B pertence é conhecido, na biologia, química e medicina, por serem vitaminas que não são armazenadas em quantidades significativas no organismo e, por isso, é necessário fazer a suplementação diária das mesmas.

Então vamos conhecer um pouquinho de cada uma das vitaminas presentes no complexo B, porque são importantes e como ingeri-la através da alimentação? Vamos lá:

O que é - B1 também chamada de tiamina, é uma das responsáveis por sensação de bem estar e muito importante ser suplementada durante a gravidez e lactação, no caso das mulheres.

Onde encontramos? Encontramos vitamina B1 em alimentos em maior quantidade: leveduras, farelo de trigo, cereais integrais e castanhas; em nível intermediário em hortaliças, frutas, carne de frango, carneiro e boi e em pouca quantidade no leite.

Problemas de saúde relacionados? “É essencial para ajudar as células a converterem carboidrato em energia e é necessária para o bom funcionamento das células nervosas e do cérebro [...] A deficiência pode ser observada em indivíduos desnutridos, pacientes com doenças crônicas ou em quadros de anorexia e alcoolismo”. (Fonte).

Quanto ingerir? A dose diária recomendada para adultos é de aproximadamente 1,2 mg/dia para homens e 1,1 mg/dia para as mulheres (não gestantes e lactantes, nestes casos deve ser maior).

O que é - B2 também conhecida por riboflavina atua especialmente no transporte de elétrons. Ela também converte carboidratos em energia sendo essencial para o crescimento das células, produção de células vermelhas e para a saúde dos olhos e da pele. Uma característica importante - ela é menos resistente ao calor. Por isso, em dias de exposição ao sol é preciso consumir mais alimentos ricos em vitamina B2, que são:

Onde encontramos? - Leite e derivados, vísceras animais (fígado), vegetais de folha como couve, repolho, agrião e ovos e ervilhas.

Problemas de saúde relacionados? A deficiência desta vitamina pode gerar feridas no canto da boca, língua lisa e inflamada e problemas de visão.

Quanto ingerir? A dose diária recomendada é de 1,3 mg/dia para homens e 1,1 mg/dia para mulheres.

B9 mais conhecida como Ácido fólico é a vitamina essencial para a formação das células do sangue, desempenha papel fundamental em processos bioquímicos e de multiplicação celular - e, por isso, é indispensável sua reposição durante a gestação.

Onde encontramos? Os alimentos que ricos em ácido fólico são as vísceras animais, feijão, vegetais de folhas verdes, abacate, abóbora, cenoura, maçã e milho.

Problemas de saúde relacionados? São preocupantes as doenças as quais a deficiência de ácido fólico estão associadas: anemias, malformações congênitas, doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.

“A carência do ácido fólico é o principal fator de risco para os defeitos na formação do tubo neural. Esta vitamina recebeu nos últimos anos um aumento de atenção dos nutricionistas e cientistas médicos devido a sua importância na prevenção de malformação de fetos” (fonte).

Quanto ingerir? A medida é feita em equivalência de folato (EF) sendo 400 μg de EFpara homens e mulheres adultos, 600 μg de EF para gestantes e 500 μg de EFpara lactantes.

Insistimos aqui no blog sobre a importância da suplementação alimentar. Para reforçar: alimentação balanceada é a chave para evitar sérios e recorrentes problemas de saúde, por toda a vida. O complexo B nos mostrou hoje, mais uma vez, o quanto isso é real.

E você? Como anda a sua alimentação?

Fonte:

https://online.unisc.br/seer/index.php/jovenspesquisadores/article/viewFile/9332/6112

#vitaminaB #complexoB #suplementação

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
No tags yet.
Siga
  • Facebook Basic Square

Copyright © 2006-2013 Alpha Saúde. Todos os direitos reservados. As informações deste site são de cunho informativo e não substitui o atendimento médico. As decisões sobre o tratamento devem ser orientadas por profissionais especializados.