Vulnerabilidade: novo diretor da Organização Mundial da Saúde alerta para o risco de novas epidemias


Parece até contraditório, mas é a realidade: por mais que a medicina e a tecnologia caminhem de mãos dadas a passos largos e tenham alcançado conquistas fundamentais na saúde, ainda há muito que prevenir.

O novo diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesu, deu a sua primeira entrevista coletiva neste mês, em Genebra, onde falou sobre o cenário ainda vulnerável no que se refere à segurança da saúde pública e da prevenção de epidemias arrasadoras em todos os cantos do planeta.

Para impedir que epidemias graves se espalhem, ele pretende criar uma força internacional com milhares de profissionais, entre médicos e enfermeiros, para enviar com antecedência à áreas identificadas com risco de doenças graves e contagiosas.

É como se fosse uma espécie de “exército da saúde”, como ele chamou, que além de combater o inimigo, treina equipes locais. Essa é uma das ações que fazem parte da nova prioridade da OMS, segundo o novo diretor: prevenir as emergências.

Sabemos, historicamente, que essa preocupação tem bastante sentido. Ainda que seja mais difícil acontecer grandes epidemias causadas por problemas de saneamento básico e higiene, que eram mais comuns há séculos atrás, há outros tipos de perigos eminentes que precisam ser mapeados e tratados com atenção.

É o caso, por exemplo, de vetores que transmitem vários tipos de doenças fatais, como o Aedes Aegypti - como é possível que com a medicina tão avançada um simples mosquito pode transmitir tantas doenças mortais? Não tem jeito, a prevenção ainda é o melhor caminho quando se trata de saúde pública.

E aqui cabe uma pergunta para todos nós: será que já não corremos riscos demais com doenças que estão fora do nosso controle, como as epidemias, para aumentar ainda mais o perigo “deixando de lado” aquilo que cabe a nós sobre a nossa própria saúde? Em outras palavras: por que é que mesmo sabendo de tantos riscos, ainda não damos atenção devida ao nosso próprio cuidado?

Pois os índices de diabetes, hipertensão, câncer de próstata, obesidade infantil e outras doenças controláveis continua alto, em todo o mundo.

Prevenção, exames de rotina, alimentação, acompanhamento médico, hábitos saudáveis. Tudo isso já está demasiadamente comprovado como fundamental para a preservação da vida e é reforçado sempre, e por que é que ainda a grande maioria das pessoas parece não se importar?

Olhando pela dimensão que Tedros Ghebreyesu aponta, é muito mais do que cuidar de si mesmo: é cuidar de gerações inteiras que podem ser afetadas por nossa falta de zê-lo. Só estamos protegidos, se todos estiverem.

O novo diretor da OMS informou ainda que até maio deste ano conta com a indicação de 50 países, com quantidade de profissionais que cada um poderá enviar para a força tarefa do “exército da saúde”. Uma força internacional disposta a combater surtos epidêmicos em qualquer lugar do mundo.

Também criou o Conselho de Segurança da Saúde com investimento para mapear possíveis lugares com propensão para doenças graves.

Todos os dias o diretor recebe um aparato geral sobre o contexto da saúde no mundo e está por dentro da situação da febre amarela no Brasil.

Vale lembrar que esse desempenho da OMS não faz sentido sozinho: cada um de nós pode ajudar para que a situação geral da saúde melhore no mundo. Quanto menos problemas existirem para nos preocuparmos, mais qualidade de vida estamos garantindo a nós e aquilo que deixaremos para as próximas gerações.

Conte sempre com a Alpha Saúde para cuidar da sua saúde.

Fonte:

http://saude.estadao.com.br/noticias/geral,100-anos-depois-de-gripe-espanhola-mundo-continua-vulneravel-alerta-oms,70002181440

https://nacoesunidas.org/novo-diretor-da-oms-assume-cargo-com-apelo-em-defesa-da-cobertura-universal-de-saude/

#notícias #saúde #epidemias

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
No tags yet.
Siga
  • Facebook Basic Square

Copyright © 2006-2013 Alpha Saúde. Todos os direitos reservados. As informações deste site são de cunho informativo e não substitui o atendimento médico. As decisões sobre o tratamento devem ser orientadas por profissionais especializados.